Campanha de Solidariedade aos povos indígenas terena de Sidrolândia/MS

CDDHCUTOs Terena iniciaram um processo de retomadas* da Fazenda Buriti, Cambará, Santa Helena e a sede da fazenda Querência São José; pertencentes à Terra Indígena Buriti, situada a 25 km de Sidrolândia e 85 km de Campo Grande.

As organizações de Direitos Humanos, movimentos sociais, entidades e organizações populares vem pedir o apoio da sociedade em busca de alimentos e ajuda humanitária para a permanência deste povo naquela região.

Eles reivindicam a demarcação do território de 17 mil hectares, declarado como terras de ocupação tradicional dos indígenas por uma portaria do Ministério da Justiça em 2010.

São pelo menos 600 famílias indígenas terenas que estão resistindo na fazenda Buriti. Estas pessoas estão naquela região desde o dia 16 de maio e vem passando por dificuldades alimentares para se manter naquele local.

Os indígenas resistiram ao processo de reintegração de posse da Polícia Federal, que tinha ordem para executar a desocupação no dia 18 de Maio (sábado).

Necessitamos de alimentos de primeira necessidade tais como: arroz, feijão, macarrão, óleo, batata, frutas, entre outros.

Estamos prevendo a entrega da arrecadação para o dia 29 de maio, quarta-feira.

O ponto de arrecadação é a sede da CUT, próxima a Feira Central, a partir das 08h00 da manhã até as 18h00, na Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49, Bairro São Tomé, Campo Grande/MS. A entidade estará arrecadando os alimentos neste sábado, dia 24 de Maio, nos dias 27, 28 e também pela manhã do dia 29 de maio.

Esta campanha é organizada pelo Centro de Defesa dos Direitos Humanos Marçal de Souza Tupã I e a Central Única dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul.

*Retomada: nome dado ao processo de ocupação de terra tradicional dos ancestrais indígenas, conhecidas como Tekohá. O processo de retomada é parecido com as ocupações de terra que buscam reforma agrária, e visa acelerar os processos de demarcação de suas terras.