CNTSS/CUT disponibiliza material da Campanha Contra a Reforma da Previdência – PEC nº 287

Com o slogan “Sua aposentadoria vai acabar! Reaja agora ou morra trabalhando!”, campanha divulgada na reunião da Direção Nacional da CUT deve se espalhar pelo país

 

A CUT – Central Única dos Trabalhadores realizou na quinta-feira, 09/02, em sua sede situada em São Paulo, o seu Encontro Nacional para divulgação da Campanha contra a Reforma da Previdência Social. Na ocasião, a Central reuniu 23 presidentes estaduais e representantes de 14 Ramos. A CNTSS/CUT – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social foi representada por seu presidente, Sandro Alex de Oliveira Cezar; tesoureira, Célia Regina Costa; secretária de Mulheres e adjunta de Saúde da CUT, Maria de Fátima Veloso Cunha; secretária de Saúde do Trabalhador e geral adjunta da CUT, Maria Aparecida Faria, e a diretora Executiva e secretária de Combate ao Racismo da CUT, Maria Júlia Reis Nogueira.

A campanha cutista, que será de abrangência nacional, tem como slogan “Sua aposentadoria vai acabar! Reaja agora ou morra trabalhando!” e sua proposta central é dialogar com a sociedade sobre a preservação dos direitos históricos conquistados pela classe trabalhadora.  A estratégia pensada pelos idealizadores é ocupar todos os espaços de discussão nas cidades para desmascarar a PEC – Projeto de Emenda à Constituição nº 287, que trata da “Reforma” da Previdência Social proposta pelo governo golpista de Michel Temer e que, na verdade, trata-se do desmonte de toda a política existente hoje nesta área.

Além de vasto material gráfico, a CUT Nacional também estará disponibilizando, brevemente, um “hot site” com inúmeras ferramentas, entre elas o Mapa da Previdência e uma calculadora que ajudará o trabalhador a conhecer, caso seja aprovada a PEC, com que idade irá se aposentar. Foi lembrado que não é só o trabalhador que sairá perdendo. Há também a condicionante econômica que atingirá drasticamente os municípios com menos de 100 mil habitantes, a grande maioria no país, pois haverá perda de receita dos vencimentos dos aposentados. Ficou definida a realização de pressão junto à comunidade, os prefeitos e as bases dos deputados e senadores que irão votar a “Reforma”.

Em entrevista concedida ao site da CUT Nacional, o presidente da entidade, Vagner Freitas, destacou que “esse governo, que não foi eleito, precisa fazer essas reformas para pagar o preço dos que financiaram o golpe e a PEC 287 faz parte desse projeto para se adequar ao congelamento dos gastos primários por 20 anos. A proposta dos golpistas não é reformar a Previdência e sim acabar com ela, para que os bancos vendam planos de previdência privada. Estamos debatendo com as demais centrais de que não devemos emendar essa reforma (PEC nº 287) e sim derrotar essa reforma. É um golpe de destruição do Estado, destruição de uma política de direitos sociais construída lentamente desde os tempos de Getúlio Vargas”, afirmou Vagner Freitas.

Os sindicatos e federações filiados à CNTSS/CUT já vêm dialogando com suas bases e debatendo com a sociedade para desmascarar mais este golpe do governo ilegítimo de Temer contra o trabalhador. A proposta da direção da Confederação é intensificar este trabalho por todo o país a partir desta nova iniciativa de comunicação. Para tanto, está disponibilizando no site da Confederação os materiais gráficos definidos pela CUT Nacional que podem ser utilizados para esta grande campanha nacional. Também ficou definida a aproximação nas agendas de lutas definidas pela CUT Nacional e demais Centrais Sindicais, fato que já é comum na estratégia de várias entidades da Confederação.

Um exemplo desta integração nas lutas aconteceu durante a 1ª Plenária Nacional dos Sindicatos Federais da CNTSS/CUT. Realizada em 10 de fevereiro, em Recife (PE), com a presença de 103 dirigentes, a Plenária aprovou seu Plano de Lutas observando a agenda mais imediata das mobilizações nacionais dos trabalhadores. Foram destacadas neste momento a participação nas seguintes atividades: 08 de março – em conjunto com a CUT; 15 de março – dia nacional de luta; 07 de abril – dia nacional de luta; 28 de abril – dia de luta nacional em memória as vítimas de acidente de trabalho; 1 de maio – participar das manifestações da CUT, propor os eixos reformas da Previdência e Trabalhista.

 

José Carlos Araújo

Assessoria de Imprensa da CNTSS/CUT

 

Acesse aqui o material da Campanha

 

Fonte: Assessoria de Imprensa CNTSS/CUT