Fenapsi e sindicatos filiados convocam a categoria a construir o 28 de abril: dia de parar o Brasil!

Entidades sindicais das(os) psicólogas(os) orientam profissionais a participarem da luta, em seus respectivos estados, contra as reformas do Governo Federal que visam retirar direitos da classe trabalhadora 
No dia 28 de abril, movimentos sociais, sindicatos e trabalhadoras(es) de todo o Brasil vão parar as atividades e ocuparão as ruas para denunciar os retrocessos que o governo ilegítimo que impor ao País. De forma antidemocrática, amparado por um Congresso Nacional repleto de parlamentares corruptos e por uma grande imprensa conservadora, Michel Temer atua para aprovar reformas e projetos de leis que visam retirar direitos sociais do povo brasileiro e arruinar conquistas históricas da classe trabalhadora do País.
Por isso, a Fenapsi, seguindo decisão do seu Congresso Extraordinário, convoca as psicólogas e os psicólogos de todo o Brasil a participarem das atividades do dia 28 de abril em seus estados, fortalecendo a Greve Geral contra o desmonte da Previdência Social, das leis trabalhistas e das políticas públicas brasileiras.
“Assim como as ações realizadas no dia 15 de março, quando milhares de pessoas foram às ruas do Brasil para dizer que não aceitam nenhum direito a menos,  as diretorias da Fenapsi e dos sindicatos filiados orientam as psicólogas e os psicólogos de todo o País a se manifestarem em seus estados para realizarmos um grande Greve Geral nacional, paralisando as nossas atividades e mostrando toda nossa insatisfação com a política nefasta do governo federal”, assinala a presidente da Federação, Shirlene Queiroz de Lima.
“Salvação para o Brasil”
Defendidas pelo governo e por sua base no Congresso Nacional como “salvação para o Brasil”, essas mudanças têm objetivos específicos: retirar direitos trabalhistas, baratear a mão de obra brasileira e aniquilar garantias sociais conquistadas com muito esforço pelos brasileiros e brasileiras. Não por acaso, a Câmara dos Deputados conseguiu aprovar nessa quarta-feira (19), depois de algumas derrotas, o requerimento de urgência da tramitação da Reforma Trabalhista, uma medida antidemocrática e nada condizente com a gravidade desse projeto para as trabalhadoras(es) brasileiras. Já a votação da Reforma da Previdência está marcada para o início de maio, logo depois da comemoração do Dia da/o Trabalhadora e do Trabalhador, data que marca a importância das(os) trabalhadoras(es) para o país.

Diante da impossibilidade de diálogo com o Governo Federal, da arbitrariedade de medidas que desmontam as políticas públicas nas quais atuam as(os) psicólogas(os), da retirada de direitos trabalhistas básicos (férias, 13º salário, horário de almoço etc) e do avanço das terceirizações, as diretorias da Fenapsi e dos sindicatos filiados entendem que a greve geral é um caminho de mobilização e organização das(os) psicólogas(os) em defesa de seus direitos.

A Federação ressalta ainda que é importante as/os profissionais, nos atos em seus estados, criarem o bloco da Psicologia, chamando atenção para o quanto a saúde mental de quem trabalha será comprometida com as reformas temerárias do governo ilegítimo.

Entre também nesta luta! 28 de abril é dia de parar o Brasil!