Greve Geral: Centrais sindicais e movimentos sociais vão à luta no dia 30 de junho

Confirmados protestos em Campo Grande, Dourados e Corumbá

A greve desta sexta-feira, 30, que está mobilizando milhares de trabalhadores em todo o Brasil vai denunciar mais uma vez os riscos que a aprovação das reformas de Temer representam para a classe trabalhadora e para o País. É mentira o discurso do governo de que vai ter geração de emprego. O que vai ter é o bico institucionalizado, o fim do emprego formal, que garante direitos conquistados, como férias e 13º salário.

E a aprovação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, na noite desta quarta-feira, 28, do parecer favorável a reforma Trabalhista que promoverá um retrocesso de mais de 80 anos na legislação Trabalhista brasileira, vai mobilizar ainda mais categorias.

No Mato Grosso do Sul estão confirmados protestos que serão realizados nas cidade de Campo Grande, ´Dourados e Corumbá.

Na capital do estado, o ato que reúne sindicatos CUTistas, centrais sindicais, movimentos sociais, a Frente Brasil Popular e o Comitê Estadual Contra as Reformas Previdências e Trabalhista está confirmado para a Praça Ary Coelho, a partir das 8h da manhã.

Em Dourados também está confirmado protesto, com concentração na Praça Antônio João, centro, a partir das 8h30, onde a base do SINTSS-MS se fará presente. Em Corumbá o protesto está confirmado para as 15 horas desta sexta-feira (30) em frente ao Riachuelo Futebol Clube, no centro da cidade branca.

Para a CUT, a única saída para impedir que o plenário do Senado aprove a reforma é parar o Brasil, ocupar as ruas e o Congresso Nacional. A classe trabalhadora corre o risco de ser submetida a condições de trabalho semelhantes a que tínhamos na época da escravidão e isso não vamos aceitar de braços cruzados. Estamos cumprindo o nosso papel de organizar, mobilizar, pressionar, fazer greve.

 

Escrito por: Sérgio Souza Júnior com informações CUT nacional