Milhares de pessoas saem às ruas de Campo Grande contra o golpe

Mix fotos Passeata e Ato no Coreto da Praça Ary Coelho Campo Grande -MS

Mix fotos Passeata e Ato no Coreto da Praça Ary Coelho Campo Grande -MS

Na tarde de quarta-feira (16), manifestantes da Frente Brasil Popular de Mato Grosso do Sul (FBP-MS), movimento composto por diversas organizações sociais e partidos políticos, realizaram uma grande passeata pelo centro da capital do estado.

O objetivo dos manifestantes era protestar em defesa da democracia brasileira, contra a proposta de impeachment que está em curso na Câmara dos Deputados.

O ato também foi organizado contra o pacote de ajuste fiscal que vem sendo implementado pelo governo federal, muitos cartazes foram pediam a saída do Ministro da Economia Joaquim Levy, critica por medidas de austeridade fiscal.

Fora Cunha

Outro elemento central do protesto foram as duras críticas desferidas contra o Presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB), acusado de golpista e manipulador durante a manifestação.

Cunha é considerado por muitos um mau político, ele está sendo investigado pelos Ministérios Públicos do Brasil e Suíça, por manter milhões de dólares de forma ilegal naquele país.

A concentração do ato foi feita no coreto da Praça Ary Coelho, onde houve intervenções políticas de lideranças sindicais, dos movimentos sociais e parlamentares.

Ato na Praça Ary Coelho

Ato na Praça Ary Coelho

O movimento seguiu em caminhada pela rua 14 de Julho, seguindo pela Barão do rio Branco e retornando à Praça Ary Coelho pela Rua 13 de Junho, em trajeto de pouco mais de 1.3Km.

Segundo balanço da organização, os seguintes municípios enviaram representação, Dourados, Três Lagoas, Ponta Porã, Corumbá, Ladário, Mundo Novo, Jardim, Aquidauana, Amambai, Caarapó, Sidrolândia, Terenos, Nova Andradina,  Aquidauana, Bela Vista, Porto Murtinho, Bataguassú.

Disponibilizamos abaixo, breves avaliações de membros da FBP-MS.

Genilson Duarte, Presidente da CUT-MS

“Para nós esta foi uma boa manifestação, acho que nosso estado contribuiu e muito com a luta contra o golpe e reforçou o grito nacional do fora cunha”, pontuou.

Mario Fonseca Presidente Estadual do PC do B

“Foi uma manifestação vitoriosa, que superou as expectativas. Mostrou que os segmentos políticos e sociais democráticos e populares têm força para barrar o golpe. E que estamos virando o jogo na batalha das ruas. Ontem, mostramos que estamos num crescendo, em contraste com os protestos pró-golpe, que, como mostrou o último domingo, refluíram”.

Francisco Givanildo Vice-Presidente do PT-MS

“Foi positivo porque reunimos as forças políticas partidárias de esquerda , PT, PDT, Pcdb e Psol e os movimentos sociais do campo e da cidade, em uma pauta unificada: contra o golpe e o ajuste fiscal do Levy e mais o Fora Cunha, e fomos para a rua  manifestar de  forma democrática, alertando a população da gravidade da situação. Nós fomos  exitosos em nossos objetivos, a população foi bem receptiva ao nosso movimento em sua grande maioria”.

Roberto Magno Botareli Cesar, Presidente da FETEMS

“Frente Brasil Popular como um movimento nacional associado a lutas em defesa da classe trabalhadora não poderia deixar de se mobilizar diante do risco iminente a democracia. “Temos que nos unir e mostrar que não vamos ficar calados diante do perigo de alguns que querem nos tirar o direito de viver em um estado democrático de direito. Não podemos permitir que um grupo político queira destituir uma presidente eleita por 54 milhões de votos. Esse mesmo grupo trabalha para acabar com questões como o reajuste do piso salarial nacional dos professores, e a destinação dos royalties do petróleo para a educação conquista que demoramos cem anos para ter”.

Alexandre Júnior Costa, Presidente do SINTSS-MS

“O ato foi muito bom, considerando o horário, o dia de semana, porém é preciso agora que façamos um debate mais aprofundado com os trabalhadores, por que está em jogo não é apenas o impeachment da Dilma é avanço de uma pauta de conservadora que em nada interessa aos trabalhadores, muito pelo contrário, ela é extremamente prejudicial, é preciso que o trabalhador ficar atento a isso”.

Sueli Veiga Melo, Vice-presidenta da FETEMS e dirigente da CUT Nacional

“É preciso ter clareza que estamos disputando um projeto para ao país e estamos do lado de quem valoriza a educação, o trabalhador e a trabalhadora, portanto não podemos permitir retrocesso em nossas conquistas democráticas, por isso hoje estamos aqui homens e mulheres do campo e da cidade unidos para dizer não ao golpe contra a democracia em nosso país”.

Yves Drosghic, militante do PDT

“A mobilização popular demonstra que o povo quer o fortalecimento da democracia e da soberania do voto popular. Além evidentemente de apoiar mudanças na política econômica do governo. Viva o Brasil!!”.

Orlando Almeida Filho diretor do Sindicato dos Bancários de Campo Grande e Região

“Dissemos em alto e bom som que a democracia deve, sempre,  imperar. Nos custou muito caro retomar os moldes democráticos em nosso país, por isso não abriremos, em hipótese alguma, que a democracia seja afetada. Assim, o ato sintetiza o clamor da sociedade brasileira em vigiar e lutar pela manutenção de um Estado democrático”.

José Berlange Andrade, membro da Associação Juízes para a Democracia  

“O Brasil está dividido em duas forças políticas, uma de matriz conservadora, autoritária e de tendência subserviente aos interesses dos países centrais, que pretendem reorganizar o mundo com fundamento num neoliberalismo concentrador de riqueza e, portanto, executar um projeto que amplia as desigualdades sociais em prejuízo das maiorias assalariadas. Essas forças foram domingo para as ruas, financiadas por banqueiros e grandes industriais, usando um Pato de Tróia amarelo como símbolo, cujo ovo está chocando em frente a sede da Fiesp, na Paulista. Não obstante todo apoio da mídia golpista, foi um fracasso a manifestação pró-impeachment.

Ontem, no Brasil e aqui em Mato Grosso do Sul, as forças populares saíram às ruas mobilizadas pela sociedade civil organizada. Com número superior de manifestantes, defenderam respeito à democracia e ao imperativo do voto eleitoral (não ao golpe), protestaram contra a política de arrocho e de austeridade fiscal, bem como, se posicionaram contra a corrupção e exigiram o afastamento de Cunha do cargo de presidente da Câmara dos Deputados. É um programa de defesa dos interesses dos trabalhadores e dos empresários brasileiros, a quem interessa a volta do crescimento da economia e a retorno a uma governança de paz.

Foi um momento muito significativo desta crise de embate político. Demonstrou que a sociedade civil organizada está contra o impeachment de Dilma e, principalmente, que os conservadores que perderam as eleições de 2014 não tem como tomar o poder pela força e, muito menos, de estabelecer um governo de conciliação e de paz.  Tem que haver negociação entre as duas forças e isto nas condições que foram engendradas pelas urnas de 2014”, finaliza Berlange.

A Frente Brasil Popular de Mato Grosso do Sul reúne militantes em defesa da democracia e de uma nova política econômica, representantes de movimentos sindicais, sociais e populares de Mato Grosso do Sul, do campo e da cidade, além de lideranças de partidos políticos, artistas e intelectuais.

Wagner Rocamora, membro do Fórum de Juventudes de Campo Grande

Eu acho que Frente teve muito sucesso em reunir movimentos sociais e sindicais que estão insatisfeitos com o governo Dilma, mas que acima de tudo defendem a democracia. Nós queremos sim que o governo reverta esse ajuste fiscal, mas também sabemos que esse golpe visa apenas aprofundar ainda mais o ajuste. Não existe golpe a favor do povo

Fazem parte desta iniciativa:

CUT, MST, FETEMS, CDDH Marçal de Souza, Nação Hip Hop MS, Cedampo, Marcha Mundial das Mulheres, UBM, Sindicato dos Bancários/CG, Sindicato dos Bancários Dourados, Sintss-MS, Fetricom-MS, SINTRACOM-CG, SINTICOP-MS, SINTSPREV-MS, UJS, Recid-MS, Lideranças do Conselho Estadual Terena, DCE-UEMS, FETAGRI, MCRLA, MAF, CPT, SISTA-UFMS, SINERGIA, ACP, SINDSEP, ADUFMS, MNLM, STIC, Sindicato Ferroviários, Sintect-MS, FTIAA, Fórum de Juventudes de Campo Grande – MS, Comitê de Defesa Popular (Dourados) PT, PC do B, PDT, PSOL, Lideranças PSB.

Faixa da Frente Brasil Popular