Mobilização e vigília em Defesa da Democracia e dos Direitos da Classe Trabalhadora

“Se, na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo; se não é possível mudá-lo sem um certo sonho ou projeto de mundo, devo usar toda possibilidade que tenho para não apenas falar de minha utopia, mas participar de práticas com ela coerentes”. Paulo Freire

Sueli Melo

Sueli Melo

O conjunto dos trabalhadores e trabalhadoras da CUT, organizados em seus quase quatro mil sindicatos e seus 7.933.029 filiados, estão mobilizados (as) em todos os cantinhos do nosso País, para defender o Brasil. Em Mato Grosso do Sul, os trabalhadores e trabalhadoras ligados à CUT/MS, também, estão mobilizados (as) em seus quase 150 sindicatos e federações em defesa do Projeto de País transformador que ajudamos a construir ao longo de mais de 30 anos e, que, culminou com a eleição do primeiro trabalhador operário, Luiz Inácio Lula da Silva para Presidente e, continua com a Presidenta Dilma, a primeira mulher a presidir o Brasil.

Estamos mobilizados (as) Contra o Golpe e em Defesa da Democracia, porque, entendemos que a Democracia é fundamental para a garantia dos direitos e conquistas à classe trabalhadora, e, portanto, nos é muito cara.

A CUT e os nossos sindicatos têm uma extensa pauta de reivindicações e de lutas, tais como:

· Contra a corrupção;

· Contra a retirada de direitos dos trabalhadores (as);

· Contra o desemprego que vem aumentado;

· Contra a reforma da previdência que está sendo planejada;

· Contra as privatizações na saúde, na educação, da Petrobrás e outras;

· Contra a terceirização e a precarização do trabalho;

· A mudança da política econômica do Governo Dilma… dentre outras propostas.

Mas, neste momento, todas estas lutas só serão possíveis se barrarmos o Golpe de Estado que está em curso e sendo encaminhado pela direita brasileira, através da direita política no Congresso e no Senado, com o apoio da direita do judiciário.

Todas as nossas lutas só serão possíveis se garantirmos o Democracia no Brasil, se o Golpe de Estado (chamado de Impeachment) se concretizar e derrotar a Democracia nós podemos nos preparar para perder estas lutas e também muitas das conquistas históricas como: férias, 13º salário, descanso remunerado, previdência, licença maternidade e outros direitos duramente conquistados.

Portanto, precisamos, em primeiro lugar, ser Contra o Golpe que vem sendo orquestrado pela direita, que vem utilizando aparatos nunca mais vistos desde os tempos da Ditadura Militar que tantas pessoas inocentes prendeu e assassinou, pessoas como nós sindicalistas, agricultores, jornalistas.

Aqueles que defendem o Golpe usam a corrupção para justificar o pedido de Impeachment da Presidenta Dilma e a prisão do Ex-Presidente Lula. Sem nenhuma prova concreta, usam somente citações feitas por pessoas de idoneidade duvidosa, que não tem retidão moral para acusar ninguém.

Somos contra a corrupção, exigimos a punição dos culpados (as) e a devolução do dinheiro roubado. Mas, para todos (as): corruptores (as) e corruptos (as); para todos os partidos e, não apenas para o PT e o Governo do PT.

Só para exemplificar, Aécio Neves e o PSDB são acusados com provas concretas, como desvio na Petrobrás; desvio milionário na saúde de Minas Gerais quando foi governador; os 5 aeroportos construídos em pequenas cidades próximas as terras de sua família; mensalão tucano em Minas Gerais; máfia do Carlinhos Cachoeira em Goiás; desvio do metrô em São Paulo; corrupção nas privatizações na época do FHC; compra da emenda da reeleição do FHC; a Pasta Rosa, dentre outros.

Também não podemos nos esquecer do Japonês, da Federal, famoso por prender petistas e que foi preso há poucos dias por corrupção.

Ainda mais grave, a postura deste Juiz Sérgio Moro e de outros que estão correndo atrás dos seus 5 minutos de fama na “Rede Bobo”, criando um estado de exceção no Brasil. Porque estamos em um estado de exceção, que é quando se usa do direito para legitimar situações que não tem respaldo legal, como grampear inconstitucionalmente a Presidenta do Brasil.

Nós não podemos aceitar esse tipo de violação dos direitos constitucionais, nem contra a Presidenta Dilma, nem contra o Ex-Presidente Lula, nem contra seus advogados e nem contra nenhuma pessoa.

A Constituição Federal nos protege de sermos “espionados” sem ordem judicial. Para ser grampeada qualquer pessoa precisa de ordem judicial e o Juiz Moro, inescrupulosamente, grampeou a Presidenta para usar conversar pessoais na sua saga insana contra o PT e contra os trabalhadores e as trabalhadoras.

O dia que admitirmos tamanho desrespeito à Constituição nós estamos entregando as nossas vidas e as vidas dos nossos filhos nas mãos de uma justiça que pode coagir, perseguir, torturar, prender, matar, só porque não gosta de você. E, tal situação, jamais poderemos admitir e aceitar.

Muito grave, também, é usar uma concessão pública de televisão como é o caso da Rede Globo para atacar, mentir, achincalhar, enxovalhar durante vinte e quatro horas por dia o PT, o ex-Presidente Lula e a Presidenta Dilma; incitar à população à violência e ao ódio e apoiar e promover este regime de exceção. A Globo está fazendo o que fez na Ditadura quando colocou seus carros de imprensa e sua estrutura para ajudar o Regime Militar, contra os (as) trabalhadores (as) e movimentos sociais.

Não podemos aceitar que uma empresa de comunicação que tem concessão pública, use da mesma para instigar o povo contra este ou qualquer Governo. Este não é o papel da imprensa.

Grave para a Democracia é aceitar a tentativa de destituir do Governo uma Presidenta eleita com o voto da maioria da população. Não é admissível e não é aceitável. Se permitirmos tamanho descalabro, estaremos acabando a jovem democracia brasileira pela qual tantas pessoas lutaram e que tem como princípio, a população eleger seus governantes; que tem como princípio garantir a liberdade; que tem como princípio garantir o direito a maioria do povo; que tem como princípio garantir os direitos humanos; que tem como princípio a garantia de direitos básicos como saúde, educação, moradia. Se permitirmos o Impeachment é isso que vai acontecer. Tirar do Governo uma Presidenta eleita é acabar com a nossa Democracia.

E é com mobilização, manifestações e vigília permanentes que podemos impedir o Golpe, garantir que a Presidenta Dilma conclua seu mandato e garantir que o Governo adote as políticas que precisamos.

É nas ruas que podemos garantir a Democracia para garantirmos os demais direitos.

Sueli Veiga Melo

Vice-presidenta da FETEMS

Secretária de Formação da CUT/MS

Secretaria Adjunta de Formação da CUT Nacional