Nota de Repúdio da CUT/MS sobre violência policial em Brasília no último dia 29

A CUT Mato Grosso do Sul vem através desta nota manifestar sua indignação e seu repúdio sobre as cenas de violência policial desproporcional, que ocorreu na última terça-feira (29) nos gramados de Brasília, em frente ao Congresso Nacional e ao Senado Federal.

Reiteramos que nossa manifestação foi desde o princípio pacífica, nosso protesto era para alertar a população sobre as maldades da PEC do Fim do Mundo, ex PEC 241 agora PEC 55 que foi votada ontem (29) no Senado. Estas medidas afetarão o futuro de gerações de brasileiros e brasileiras, congelando recursos públicos para a saúde e educação durante 20 anos, por estes motivos esta medida não deveria ser aprovada pelo Senado Federal.

Conforme relato de Genilson Duarte, Presidente da CUT-MS, “nunca vi uma polícia tão violenta como hoje, do nada eles começaram a jogar bomba de gás, o que gerou uma revolta nos manifestantes começando um conflito. O que vi foi uma polícia a mando de um governo golpista, que tomou de assalto o poder para retirar direitos do povo. Só que essa violência em nada nos desanimará de continuar a luta contra o retrocesso”.

Centenas de manifestantes foram duramente atingidos, levando muitas pessoas a necessitarem de atendimento médico. Gás de Pimenta, bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha, foram atiradas em direção ao povo que se manifestava em uma curta distância, sendo possível até ferir alguém de forma letal, o que é indesculpável.

Nem a truculência da ação policial, nem a criminalização da mídia golpista ou ainda as palavras desrespeitosas do presidente ilegítimo Michel Temer nos farão arredar o pé da luta. Amanhã será maior!

Neste 29 de novembro, um dia triste para o Brasil, votaram a favor da PEC 55 e contra o povo brasileiro, os senadores Sul-Mato-Grossensses, Waldemir Moka (MS) Simone Tebet (MS) e Pedro Chaves (MS), uma vergonha para o nosso estado.

#ForaTemer #NãoÀPecDaMorte #NãoàPEC55